dolanepatricia@gmail.com

Whatsapp:95 99111-3740

Quarta, 09 Outubro 2019 07:37

Amor por Roraima

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Apesar dos problemas que assolam o estado mais bonito da região Norte, importa trazer à lembrança seus pontos fortes e nossa profunda gratidão em acolher habitantes de todas as regiões do País.

É através da poesia de Zeca Preto que se faz oportuna uma declaração de amor para o estado mais acolhedor, numa canção chamada Roraimeira: “Te achei na grande América do Sul, quero atos que me falem só de ti...”

“Os teus seios grandes serras, grandes lagos são os teus olhos, tua boca dourada, Tepequém, Suapi, terra do Caracaranã, do caju, seriguela, do buriti, do caxiri, Bem- Querer, dos arraiais, do meu HI-FI...”

Só quem mora em Roraima consegue entender a realidade desses versos e o aconchego dessa terra. Estado de muitas belezas naturais e esperança de muitos cidadãos que tentam um novo começo em terras macuxi.

Situada na Região Norte, é composta por 15 municípios. O nome Roraima está diretamente ligado a seu turismo ecológico. Deriva-se de: Rorô, que significa verde; Imã, que significa serra ou monte. Sendo assim, Roraima significa Verde Monte.

Roraima é o Estado mais setentrional do Brasil. Tem uma extensão de 224.000 quilômetros quadrados. A população do estado é de quase 500.000 habitantes. É uma densidade baixíssima, de aproximadamente dois habitantes por quilômetro quadrado. Em Boa Vista se encontra mais de 60% da população de Roraima.

É um Estado lindo de se ver...

E nas águas cristalinas do Rio Branco ocorre o despertar de uma paixão... E ao contemplar sua beleza e beber de sua água, é selada a promessa de amor eterno!

“A beleza do Rio Branco, com as praias que surgem durante o verão, o Bosque dos Papagaios, área de 12 hectares com uma variedade de árvores, pássaros, trilhas. A reserva ecológica Ilha de Maracá, localizada a 100 km ao norte de Boa Vista, no município de Amajari, com rica fauna e flora”.

Os rios de Roraima refletem as mais belas histórias de vida, seja no Grande Rio Branco ou em um Igarapé.

O Canto das Pedras de Zeca Preto relata bem essa mistura de história e poesia: “Como resiste o caimbé e a nossa história, que é feita de pajés e corações de cada canto do país, como o canto de outras pedras, de pintar nossa música no ar, nesse cadinho da floresta. Boa Vista, linda meu luar. minha musa de cantar, meu desejo bem querer, te chamo de BV, é no remanso dessas lavadeiras, tambaquis e tracajás, iaras e buritizais, teu segredo de menina, nesses anos festivais, tua pedra tua sina esse rio leva e traz...”

Roraima, que já foi povoado por diversas tribos, hoje abriga pessoas de todos os lugares, das mais diversas raças e culturas. Em 1943 foi criado o Território Federal do Rio Branco, proveniente do desmembramento da Amazônia e da união dos municípios de Boa Vista e de Moura.

De acordo com o site infoescola.com, “em 1962 o nome do Território é modificado de Território Federal do Rio Branco para Território Federal de Roraima. Os conflitos entre fazendeiros, agricultores, garimpeiros e índios pela posse da terra e pelos garimpos tiveram início nos anos 80 e se estendem até hoje. O estado é formado em sua maioria por imigrantes o que faz com que o estado tenha uma imensa diversidade de Cultura”.

“Na América do Sul, o Monte Roraima, um dos mais altos planaltos da região, tem duas características pouco comuns: além de se estender por três países (Venezuela, Brasil e Guiana), é completamente plano. Alvo de lendas e superstições é hoje tema de documentários sobre a natureza, explorações científicas e escaladas para os mais aventureiros”. É o que relata o site institutodeengenharia.org

No topo do Monte Roraima, que já inspirou livros como o Mundo Perdido, a temperatura faz 0ºC à noite. Diz a lenda que o Monte é a morada de uma entidade sagrada nomeada Makunaima. Chamado no passado também de montanha cristal, estima-se que o Monte Roraima tenha mais de 2 milhões de anos. Sua forma natural é praticamente plana, como se os seus montes fossem mesas.

Exploradores relatam que por sua hidrografia os indígenas o chamaram de mãe de todas as águas. São as informações do site 1001coisassobreomundo.

Mas é na poesia das cações que se revela o grande amor escondido nas entrelinhas de cada canção... “És meu norte, meu livro, meu canto no cio, Água grande levando os amores de abril, Macuxana pescando encanto pra viver, são remadas de ubá no meu entardecer...”

Não são apenas 31 anos de canção e poesia. Vivemos momentos difíceis na economia. No entanto, as vantagens de viver em estado um que acolhe e que possui uma riqueza ecológica tão grande, numa terra de oportunidades, é a certeza de que sempre existirá esperança de dias melhores.

Um estado que, apesar das dificuldades existentes hoje, ainda é um lugar onde se pode sonhar...

E como canta Zeca Preto: “Caminho pelos campos e buritizais, linda, sabor sedução, o encontro com as terras de Roraima foi jura de amor eterno, é amor sem fim...

Bebeu a água do Rio Branco ficou por aqui...

E como se fosse melodia, olhar o céu de Boa Vista é poesia. Mas é com as palavras poéticas do hino de Roraima de autoria do agrônomo e escritor Dorval de Magalhães e Música do maestro Dirson Félix Costa, que finalizamos essa declaração de amor por Roraima:

“Que belezas possui nossa Terra! Sinfonia que inspira o amor! O sucesso é a meta, o farol, no lavrado banhado de sol! Nós queremos te ver poderoso, Lindo berço, rincão Pacaraima! Teu destino será glorioso, Nós te amamos querido Roraima!”

Lido 55 vezes
Dra Dolane Patricia

*Advogada, juíza arbitral, Personalidade da Amazônia e

Personalidade Brasileira. Pós-Graduada em Direito Processual Civil, Pós

Graduanda em Direito de Família, Mestre em Desenvolvimento Regional da

Amazônia.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.