dolanepatricia@gmail.com

Whatsapp:95 99111-3740

Quarta, 11 Setembro 2019 17:14

Setembro Amarelo - O Dia D

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio que teve início no ano de 2015, através de uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida e da Associação Brasileira de Psiquiatria.

O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, um dia que foi criado em 2003 pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e pela Organização Mundial de Saúde.

Inclusive, é também um tipo de chamamento para que as pessoas percebam que podem ser amparadas em momentos difíceis da vida, para que não cheguem a pontos extremos como o suicídio.

No mundo todo, aproximadamente uma pessoa se mata a cada 40 segundos. Só no Brasil, o suicídio é a quarta causa mais comum de morte de jovens. 90% dos suicídios poderia ser evitado com ajuda psicológica e com realização de campanhas.

“Todo mês é Setembro Amarelo. Todo dia é Dia D. E essa é uma semana para refletir sobre o tema. A data surgiu há 25 anos. A cor da campanha foi adotada por conta da trágica história de Mike Emme, um jovem americano de 17 anos que, em 1994, tirou a própria vida dirigindo seu carro amarelo. Seus amigos e familiares distribuíram no funeral cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que estivessem passando pelo mesmo desespero”

A fita amarela virou símbolo do dever de conscientização de todo mundo. Sobre o tema, palavras de ajuda e esperança foram colocadas em papel amarelo brilhante e compartilhadas sendo posteriormente adotadas no mundo inteiro, como símbolo de vida e esperança, com o objetivo de conscientizar a comunidade como um todo do grave problema de saúde pública que é o suicídio.

Nesse contexto, é necessário ter cuidado com as pessoas que possuem doenças como depressão, pois cada ato de gentileza pode fazer muita diferença, assim como as palavras, que não são pedras, “mas se forem jogadas com força, machucam”, uma realidade dita numa frase de um autor desconhecido que retrata de forma bem profunda a gravidade de problemas como bullying, uma forma de agressão psicológica que causa feridas muitas vezes incapazes de serem cicatrizadas.

Falar é sempre muito importante, por isso, nunca permita ser maltratado em silêncio, fale com um amigo, um parente, não permita que essa dor exploda em forma de doenças como a depressão, fale dos seus sentimentos.

Ademais, nos lugares em que existem programas de prevenção ao suicídio se conseguiu perceber a redução das estatísticas existentes.

Por isso, em Roraima várias campanhas estão sendo realizadas por vários órgãos em parceria com o Ministério Público de Roraima, onde a Promotoria de Saúde tem desempenhado um papel extremamente relevante.

A psiquiatra Elimar Jacob sobre a importância do tema na pauta de discussão social: "Por muito tempo, foi considerado um pecado, uma fraqueza individual, considerações sempre negativas que a pessoa e toda família ficavam estigmatizados, como se fosse algo contagioso ou uma desonra. As pessoas foram reprimidas de falarem a respeito e porque tinham vergonha de confessar que pensavam nisso, sofriam e, em alguns casos, isso levava à morte".

A profissional salienta que a Sociedade Brasileira de Psiquiatria considera que a depressão é a principal causa que pode levar alguém a querer tirar a própria vida:

"A depressão é a base da ação. O conceito que adotamos atualmente é de que ninguém se suicida se não estiver deprimido. Outros acontecimentos podem contribuir para a pessoa entrar em um pensamento negativo, depressivo, ela sente a vida se afunilar e não enxerga outra saída que não seja o desaparecimento dela, para evitar o sofrimento", explicou, além de orientar as pessoas a apoiarem quem estiver nesta situação e indicarem que há ajuda médica para quem precisa.

O Brasil é o oitavo país com mais suicídios no mundo, mas em número de casos por 100 mil habitantes o país passa a ser o 113º do ranking mundial. O estado do Rio Grande do Sul tem mais casos por habitantes. E o Rio de Janeiro, menos.

Importa salientar que tratar as pessoas sempre com gentileza é muito importante porque as doenças emocionais são silenciosas, não escolhem raça e nem mesmo classe social e as pessoas que possuem essas doenças são pessoas fragilizadas e toda a dor é maximizada, os sentimentos muito intensos e sua situação pode se agravar diante de situações discriminatórias e vexatórias.

Nesse contexto, é importante destacar a importância de falar sobre o assunto e incentivar a superação, lembrar que a pessoa não está sozinha e rememorar também que é importante deixar o passado para traz e que ainda é possível sonhar.

Afinal, como dizia Abraham Lincoln, o êxito da vida não se mede pelo caminho que você conquistou, mas pelas dificuldades que superou no caminho.

Lido 45 vezes Última modificação em Sábado, 14 Setembro 2019 17:16
Dra Dolane Patricia

*Advogada, juíza arbitral, Personalidade da Amazônia e

Personalidade Brasileira. Pós-Graduada em Direito Processual Civil, Pós

Graduanda em Direito de Família, Mestranda em Desenvolvimento Regional da

Amazônia.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.