dolanepatricia@gmail.com

Whatsapp:95 99111-3740

Quarta, 05 Junho 2019 04:17

A culpa é das estrelas

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Dolane Patrícia

“Todo mundo deveria ter um amor verdadeiro, que deveria durar pelo menos até o fim da vida da pessoa.”

A frase é do filme A Culpa é das Estrelas, um dos filmes mais assistidos da história do cinema.

Nesse momento em que se aproxima o dia dos namorados, nada mais oportuno do que escrever um artigo que retrata o momento em que muitos estão vivendo e a reflexão sobre a duração dos relacionamentos e seu destino jurídico.

No caso do filme, o romance tem duração determinada “uma eternidade dentro dos seus dias numerados”. Na vida real, nem sempre o romance tem o desfecho do “felizes para sempre”, assim como no filme, onde o casal apaixonado não termina junto.

Na ficção, a protagonista do filme é diagnosticada com câncer. “A adolescente Hazel Grace Lancaster (Shailene Woodley) se mantém viva graças a uma droga experimental. Após passar anos lutando com a doença, ela é forçada pelos pais a participar de um grupo de apoio cristão. Lá, conhece Augustus Waters (Ansel Elgort), um rapaz que também sofre com câncer”. 

Os dois possuem visões muito diferentes de suas doenças: Hazel preocupa-se apenas com a dor que poderá causar aos outros, já Augustus sonha em deixar a sua própria marca no mundo. Apesar das diferenças, eles se apaixonam. Juntos, atravessam os principais conflitos da adolescência e do primeiro amor, enquanto lutam para se manter otimistas e fortes um para o outro.

É um filme para os casais de namorados ou que tenham um relacionamento, seja ele qual for, refletirem sobre a essência e significado da responsabilidade afetiva. 

Uma frase muito conhecida do livro O Pequeno Príncipe, diz: “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”. A frase em questão é dita pela raposa para o Pequeno Príncipe no capítulo XXI e é uma das passagens mais citadas da obra.

A explicação inicia algumas páginas antes, quando o Pequeno Príncipe pergunta para a raposa o que quer dizer "cativar". Ela então responde que cativar significa criar laços, passar a ter necessidade do outro, e exemplifica:

“Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...”

Entretanto, o que se vê hoje é uma paixão fulminante entre muitos casais, digno de um conto de fadas, alguns chegam ao casamento ou mesmo união estável. A dura realidade é que nem todos duram muito tempo e a separação às vezes dói mais do que se a outra pessoa tivesse morrido, como no caso do filme A Culpa é das Estrelas. Aliás, muitas vezes, “esse é o problema da dor, ela precisa ser sentida.”

De acordo com o site clicrbs.com.br, o livro que inspirou o filme foi eleito o melhor livro de ficção pela revista americana, além de contar com mais de 1,2 milhão de livros vendidos só no Brasil, em 2012.

O filme mostra o tamanho da responsabilidade que é amar. E com o passar do tempo esse amor não deveria chegar ao fim, uma vez que “você pode amar muito alguém, mas você nunca pode amar uma pessoa tanto quanto pode sentir falta dela”.

O que acontece muito é aquele amor arrebatador que às vezes dura anos com o passar do tempo, mas às vezes nem tanto... Isto porque “as pessoas não têm noção das promessas que estão fazendo, no momento em que as fazem”.

Talvez eu seja “uma escritora que nem saiba que você existe, mas que está falando da sua história” (sic) porque esta história é muito comum nos dias de hoje.

Quantos casais vivem uma “eternidade de sonhos”, depois se separam e a parte mais difícil é sobreviver à distância...

São diversas as situações em que os romances terminam, porque “alguns infinitos são maiores do que os outros” ou simplesmente trata-se de um infinito com os dias contados, dentro da matemática de Hazel Grace. 

Dessa forma, esse infinito pode ser como “estrelas que não se consegue arrumar em constelação.” E o amor na verdade é formado de partículas de um sentimento que não é possível expressar em papel. Mas nem sempre esse amor é possível, até porque “aparentemente o mundo não é uma fábrica de realização dos desejos”.

No mês em que se comemora o dia dos namorados, uma reflexão sobre a responsabilidade afetiva. 

Nesse contexto, às vezes perguntamos pouco, porque a resposta pode ser meio dolorosa. De qualquer maneira, responsabilidade afetiva, nem sempre pode ser exigida. A questão é que esse assunto está na moda e é sempre legal quando uma discussão sobre sentimentos ganha grandes proporções, como acontece no filme.

Entretanto, nem sempre na vida casais apaixonados terminam juntos, por isso “devemos aproveitar a companhia de quem entrou na nossa vida, pois nunca sabemos quando podem partir”, até porque, “há pessoas que têm o poder de transformar segundos em verdadeiras eternidades”, porque “ não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir nesse mundo, mas é possível escolher quem vai feri-lo. E precisamos aceitar nossas escolhas.”. (sic)

Assim sendo, “não adianta fugir do que se sente com medo de ser magoado”, afinal, ”a vida não precisa ser perfeita, para que o amor seja extraordinário.” Okay?

*Advogada, Juíza Arbitral, Personalidade da Amazônia e Personalidade Brasileira. Pós graduada em Direito Processual Civil, Mestre em Desenvolvimento Regional da Amazônia. Acesse: dolanepatricia.com.br

Lido 58 vezes Última modificação em Sexta, 16 Agosto 2019 04:20

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.